Escolha a piscina certa para o seu verão

  1. Quem nunca desejou ter uma piscina em casa? Poder se refrescar nos dias quentes e curtir momentos de lazer ao lado de amigos e familiares bem ali, no seu quintal. Seguindo à tendência de se criar “pequenos paraísos particulares” nas residências, ter uma piscina deixou de ser privilégio apenas de quem tem dinheiro.

     Entretanto a comodidade de ter uma piscina em casa pode gerar algumas dúvidas pois há no mercado uma série de modelos, tipos e acessórios. O ideal é contratar um profissional para a elaboração do projeto, assim todos os pontos serão analisados antes da execução, evitando gastos desnecessários e dores de cabeça. 

    Segue um pequeno comparativo entre as técnicas mais comuns de construção de piscinas:

    - piscinas de concreto: apresentam grande durabilidade, opções de formato, complementos (prainha, SPA, cascatas...) e acabamentos (azulejos, pastilhas, e até mesmo revestimentos minerais), ou seja, totalmente personalizada. Como pontos negativos, temos a proliferação de fungos no rejuntamento, o risco de vazamentos quando a obra é mal executada, além do alto custo e a demora na execução;

     - piscinas de vinil: tem grande saída no mercado já que seu custo-benefício é bem satisfatório. Pode ser executada em diversos formatos e tamanhos, comporta a instalação de SPA, degraus, bancos, bar... , além de existir uma infinidade de cores e estampas do vinil. Como desvantagens, o vinil não suporta o contato com superfícies cortantes, e tem que ser trocado periodicamente, conforme os cuidados de manutenção. 

    - piscinas de fibra: é uma das mais acessíveis e tem rapidez na instalação. A grande desvantagem é a limitação de formatos, sua estética também não é muito agradável. Com a ação do tempo e dos produtos químicos, podem surgir algumas bolhas e o desbotamento da coloração. Nem sempre é possível chegar ao local de instalação devido ao seu transporte. 

    - piscinas de superfície: apresenta cada vez mais adeptos ao mercado brasileiro, como o próprio nome já diz, ela não necessita de escavação do terreno. São muito mais baratas que as convencionais e podem ser transportadas para outros locais. Sua durabilidade, entretanto, não é satisfatória, possui modelos mais simples e básicos. 

    É fundamental a contratação de um arquiteto ou engenheiro. Este profissional irá avaliar questões como orçamento disponível, área a ser instalada, melhor posição em relação ao sol, tipo de material, prazo de obra, formato da piscina, entre outros. Tudo para ter o melhor resultado de custo-benefício para o cliente.

    Piscina_1

    Piscina_2

villaçaarquitetura  

Arq. Carolina Villaça